Hoje vamos falar sobre a toxina botulínica (TB), mais conhecida como Botox, procedimento que há algum tempo vem fazendo fama na estética. Redigi esse post bem completo, abordando desde seu histórico até a utilização atual dessa queridinha para deixar a aparencia mais jovem e dizer adeus às rugas! Espero que você aproveite ao máximo esse conteúdo!!!

ASPECTOS GERAIS

A toxina botulínica (TB) é um produto biológico (neurotoxina) produzido a partir do metabolismo da bactéria Clostridium botulinum (bacilo formador de esporos, classificado como positivo na coloração de Gram e anaeróbico, ou seja, não usam o oxigênio para a realização de suas reações metabólicas). Essa bactéria produz sete sorotipos diferentes de toxina (A, B, C1, D, E, F e G) todos esses sorotipos são neurotoxinas, sendo o sorotipo A amplamente utilizado com fins estéticos, devido a sua maior potência, o que proporciona também maior duração do efeito terapêutico.

HISTÓRICO

Na estética, o uso da TB começou a ser difundido em na década de 90 pois foi percebido uma diminuição de rugas em pacientes que realizavam tratamento de espasmos da face, por exemplo. Atualmente a aplicação de TB é um método efetivo e seguro no tratamento de rugas dinâmicas (rugas de expressão) e, melhora das rugas estáticas.

Segundo relatório da Sociedade Internacional de Cirurgia Plástica Estética (International Society of Aesthetic Plastic Surgery – ISAPS), publicado em julho de 2014 mais de 20 milhões de procedimentos estéticos cirúrgicos e não-cirúrgicos foram realizados em todo o mundo. Desses, a aplicação de TB está em primeiro lugar com cerca de 4,8 milhões de procedimentos mundialmente realizados. Ainda, o relatório lista o Brasil como segundo país que mais realiza procedimentos estéticos, sendo cerca de 2 milhões (10,2%) naquele ano e, considerando a aplicação de TB, o Brasil lidera o terceiro lugar com 715 mil.

Dados da Sociedade Americana de Cirurgia Plástica (Asaps), demonstram que há sete anos consecutivos a aplicação de TB é o procedimento não cirúrgico mais realizado nos EUA, sendo que em 2015 foram realizadas cerca de 4,3 milhões aplicações.

UTILIZAÇÃO

A aplicação estética de toxina botulínica é indicada para tratamento de rugas dinâmicas e melhoria das rugas estáticas. Essas rugas são provocadas devido aos movimentos de expressão da face.

Nota: você sabia que as linhas de expressão são formadas somente no rosto por ser um local do nosso corpo em que os pontos de inserção musculares são localizados na pele e não nos ossos e por isso aparecem rugas na face!

Outra indicação é para hiperidrose, suor excessivo na palma das mãos, planta dos pés e axilas. A aplicação da TB é realizada na derme nas glândulas sudoríparas que são ativadas também pelo mesmo neurotransmissor que causa a contração muscular, a acetilcolina.

CLASSIFICAÇÃO DO PADRÃO MUSCULAR

Existem seis tipos de padrões musculares descritos e relacionados com a expressividade de cada pessoa. Para cada padrão, há uma característica exclusiva da movimentação e do tônus muscular, assim a avaliação pelo profissional é essencial para indicação da dose adequada de toxina a ser aplicada.

[grwebform url=”https://app.getresponse.com/view_webform_v2.js?u=SSJA5&webforms_id=7975103″ css=”on” center=”off” center_margin=”200″/]

ESTRUTURA DA TB

A TB é uma proteína com duas cadeias polipeptídicas simples sendo a cadeia pesada com 100kDa, que tem afinidade com a placa motora muscular e participa nos processos de internalização da toxina nas células e a cadeia leve com 50kDa sendo esta última a molécula tóxica responsável por bloquear do neurotransmissor acetilcolina cálcio-dependente. Essas duas cadeias são unidas por ligações dissulfídicas associadas a um átomo de zinco. O conhecimento da estrutura da toxina botulínica é importante principalmente na escolha da marca do produto a ser utilizado nos procedimentos.

AÇÃO DA TB

De um modo geral, a TB age nos neurônios inibindo a liberação de neurotransmissores como a acetilcolina por desestabilizar as proteínas responsáveis pela transmissão dos impulsos nervosos, assim não há estímulo para a contração muscular, ocorrendo a paralização temporária da musculatura em que a TB foi aplicada, suavizando as linhas de expressão.

Após a aplicação, a fraqueza muscular tem início após 24 horas da aplicação, podendo ser observada clinicamente de 2 a 5 dias pós procedimento, com duração média de 4 a 6 meses dependendo do padrão de expressividade da pessoa.

O mecanismo de ação da TB está relacionado em 3 passos principais, sendo:

  • Ligação: A TB se liga, por meio da cadeia pesada, em uma proteína (aceptor) da membrana pré-sinaptica do neurônio.
  • Internalização: a entrada da TB no neurônio é feita por endocitose da membrana plasmática, em que há a formação de uma vesícula e o transporte até o interior da célula
  • Bloqueio: a TB provoca clivagem das proteínas que participam no processo de liberação da acetilcolina para a fenda sináptica, impedindo a liberação desse neurotransmissor (processo conhecido como desnervação química). É importante ressaltar que não há alteração do nervo ou da produção da acetilcolina, apenas das estruturas responsáveis pela transmissão do impulso nervoso.

Nota: é importante ressaltar que há evidências científicas que indicam que após algum tempo da aplicação da TB, como ocorreu o processo de desnervação química, há estimulo para o crescimento de brotamentos desse neurônio. Esses brotamentos estabelecem novas junções neuromusculares, restaurando a contração muscular, por esse motivo são necessárias novas aplicações da TB.

PRAZOS PARA REAPLICAÇÃO

A TB é uma proteína imunogênica, ou seja, estimula o sistema imunológico na formação de anticorpos neutralizantes da mesma. Tal fato, segundo descrito na literatura, ocorre em, aproximadamente, 12 casos para 7.000 tratamentos (Schantz EJ; Johnson, EA. 1993).  O desenvolvimento desses anticorpos está relacionado com fatores como dosagem superior a 200 U por aplicação, injeção endovenosa acidental, dose total cumulativa de 1.709 U e intervalo entre as aplicações inferior a três meses (Gimenez, RP e cols. 2010).

Em estudo publicado pela Revista Brasileira de Cirurgia Plástica, que analisou as alterações das rugas faciais após aplicações seriadas de TB tipo A, foi verificado que a placa motora presente no músculo estava totalmente ativa após 91 dias de aplicação, podendo ocorrer a contração muscular efetiva, o que reforça a ideia de que com o uso da TB, não há atrofia muscular. Foi evidenciado também que a recuperação total da contração muscular ocorreu entre 3 a 6 meses após o procedimento.

Assim, com o objetivo de não gerar sensibilização no paciente, o tempo correto para que se faça uma nova aplicação é de 6 meses. Também deve-se ter cuidado caso sejam necessárias reaplicações em curtos prazos, devendo ser respeitado, em caso de novas injeções, o prazo de até 15 dias após a aplicação. Tais prazos são necessários com a finalidade de evitar a formação dos anticorpos contra a TB.

CONTRAINDICAÇÕES

A aplicação da TB é contraindicada em casos de lesão cutânea local, acne inflamatória, gravidez e lactação, doenças neuromusculares e autoimune, alergia a albumina ou intolerância a lactose. Também, se o paciente tomou vacina antitetânica recente, antibiótico e/ou anti-inflamatório, a aplicação é contraindicada por interferirem diretamente com a TB, devendo aguardar determinados intervalos para realização da aplicação.

EFEITOS ADVERSOS

Após o procedimento, podem ocorrer edema (inchaço), eritema (vermelhidão) e equimose local, dor de cabeça, náuseas, alergia e fraqueza muscular. Tais sintomas são normais, entretanto a comunicação entre o paciente e o profissional é extremamente importante para seguimento desses efeitos até sua melhora.

MARCAS EXISTENTES E COMPARAÇÃO

No Brasil, existem regulamentados pela ANVISA para uso com a finalidade estética 5 principais marcas de toxina botulínica tipo A, sendo Dysport, Botox, Prosigne, Xeomin e Botulift. Esses produtos diferem principalmente nas estruturas moleculares da TB, na apresentação do produto, no veículo utilizado para administração e na cepa bacteriana usada na produção e quantidade de unidades de TB, mas não são comparáveis diretamente entre si. Nesse sentido, o profissional deve avaliar cada caso e a expectativa do paciente e selecionar o produto estando sempre atento às informações da bula. Também devem ser observadas características próprias de diluição para uso e armazenamento.

DOSAGEM

A dose recomendada para aplicação dependerá intrinsecamente do padrão muscular do paciente e de sua expectativa. A via de administração da injeção de TB é intramuscular, limitada aos músculos específicos e em dosagens controladas. Vale ressaltar que no protocolo para tratamento da hiperidrose, as injeções são subcutâneas.

Dados científicos demonstram que há um aumento médio da dose total de TB aplicada por sessão, considerando da primeira até a terceira aplicação e, posteriormente, essa dose tende a manter-se estável ao longo das demais sessões, utilizando sempre dosagens mínimas efetivas, para evitar a formação de anticorpos.

Nota: a aplicação de TB não causa botulismo devido, na estética, a via de administração ser preferencialmente intramuscular. Já quando consideramos a patologia botulismo, temos que a mesma ocorre devido a intoxicação pelas toxinas produzidas pela bactéria Clostridium botulinum que podem estar presentes em alimentos, água ou solo contaminado.

AVALIAÇÃO/APLICAÇÃO (PROTOCOLO GERAL)

Antes de qualquer procedimento estético, é necessário que o profissional sempre realize uma boa avaliação e que sejam discutidas as expectativas do paciente frente aos tratamentos propostos e que todas suas dúvidas sejam esclarecidas. Também é primordial que o paciente siga rigorosamente todas as recomendações no pré e pós tratamento.

No caso da TB, é importante demonstrar para o paciente as rugas dinâmicas e estáticas, demonstrando com o auxílio de espelho, a partir de então deve ser realizado o cálculo da dose e a marcação dos pontos de aplicação, considerando o padrão de contração muscular. Todas as informações do paciente e também o planejamento do tratamento, as doses e os pontos de aplicação devem ser registrados na ficha do paciente. Também deve ser assinado um termo de consentimento contendo todas as informações repassadas verbalmente.

Após a avaliação inicial, o registro fotográfico é importante para demonstrar ao paciente a evolução no tratamento, devendo-se fotografar todos os ângulos e principais expressões do paciente, como susto e sorriso por exemplo.

No momento da aplicação, deve ser feita correta assepsia com álcool 70% e posteriormente injetar, utilizando agulha de insulina, a TB no local a ser tratado, respeitando as marcações e dosagens.

Após o procedimento, é solicitado ao paciente que não abaixe a cabeça, em caso da aplicação de TB para rugas, não fazer atividade física por 24 horas e nem massagem nos locais de aplicação, evitando também temperaturas quentes e não fazer uso de anti-inflamatórios. O retorno para avaliação pós procedimento deve ser feito entre 10 a 15 dias.

Referências

Análise retrospectiva das alterações das rugas faciais após aplicações seriadas de toxina botulínica tipo A. Gimenez R.P., Gemperli R., Salles A.G., Marcus Castro Ferreira M.C., 2010. Revista Brasileira de Cirurgia Plástica.

Botulinum and tetanus neurotoxins: neuro- transmission and biomedical aspects. Schantz E.J., Johnson E.A., 1993. New York: Olenum Press.

International Society of Aesthetic Plastic Surgery – ISAPS, relatório. Julho/2014. Disponível em http://www2.cirurgiaplastica.org.br/de-acordo-com-a-isaps-brasil-lidera-ranking-de-cirurgias-plasticas-no-mundo/

http://sbcp-sc.org.br/artigos/toxina-botulinica-e-o-procedimento-nao-cirurgico-mais-realizado/

 

Salvar

Salvar

Comments

comments

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Se você que saber sobre algum outro assunto relacionado a estética, realizar convite para eventos ou palestras entre em contato comigo.

Rolar para cima